Brasiliense Geovania Marques unifica títulos juvenis do wrestling em Blumenau

0
7

Em sua quinta e última participação nos Jogos Escolares da Juventude, a estilosa atleta Geovania Marques Vieira, finalmente subiu ao alto do pódio. Com duas medalhas de prata e uma de bronze no currículo, a atleta da escola CEM 01 Paranoá, de Brasília (DF), venceu a paulista Jacqueline de Araújo por 7 a 3, após estar perdendo a luta decisiva por 2 a 1, e subiu no alto do pódio da categoria leve (até 49kg).

Assim, Geovania unificou os títulos brasileiros da categoria juvenil, uma vez que havia conquistado a medalha de ouro no campeonato nacional da Confederação Brasileira de Wrestling (CBW).

“É uma felicidade que não dá pra descrever. Os Jogos Escolares são a melhor competição que existe. Todos aqui se conhecem, tem um Centro de Convivência inigualável e por aqui passaram grandes campeões: olímpicos, mundiais e pan-americanos”, disse a atleta de 17 anos, treinada pelo professor José Neto.

Geovania disputou outras quatro edições da maior competição escolar do país. Em Fortaleza 2015, ficou na quinta colocação. Em João Pessoa 2016 e Brasília 2017, levou a prata e, em Natal 2018, o bronze por equipes, tendo sido eliminada no torneio individual no segundo confronto. O curioso é que, em todos os anos, Geovania estava com um look diferente.

“Ainda era muito criança em 2015, tinha cabelo normal. No ano seguinte, lutei com uma trança toda rosa e, em 2017, com uma roxa que tinha a ponta amarela, as cores do meu patrocinador. No ano passado, fiz uma verde e amarela, do Brasil, mas perdi a luta decisiva para a atleta do Amazonas, por 10 a 9, no último segundo. Aí resolvi mudar de novo, e nesse ano estou assim, loira arrepiada”, diverte-se.

A jovem brasiliense conheceu o wrestling na escola, no projeto “Luta pela Cidadania”, e agora integra o Touche Team. “Ainda não temos academia, treinamos na escola mesmo. Disputei no ano passado o Mundial Escolar de Marrakesh (Marrocos), que foi uma experiência incrível, mas acabei em quarto lugar. Esse ano teve um camping de dez dias na Pensilvânia (EUA) e disputei o campeonato pan-americano, quando fiquei em quinto.”

Emoção indescritível no bronze

Na mesma categoria (até 49kg), a sergipana Dayane dos Santos deu um show na luta que definiu a medalha de bronze. Mesmo enfrentando uma atleta dois anos mais velha, a jovem de 15 anos, que perdia o confronto por 7 a 2, conseguiu uma virada incrível no placar e também subiu no pódio. Dayane comemorou o feito mais do que muitos campeões.

“Na luta, o combate só acaba após o último apito”, afirmou, em prantos, logo após a definição da medalha. “Ano passado fui eliminada logo no segundo confronto, após uma falta de atenção que me cobro até hoje. Estou sem palavras para descrever tanta felicidade”.

Comentar