Quinta, 08 Março 2012 23:18

Kungfu / Wushu sonha com vaga olímpica

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Kungfu / Wushu ainda não é um esporte olímpico, mas está muito próximo de tornar-se. Esteve presente nos Jogos de Beijing em 2008, através de um torneio paralelo para demonstração da modalidade e está na disputa com mais sete modalidades para ser incluído no programa em 2020.

Kungfu / Wushu ainda não é um esporte olímpico, mas está muito próximo de tornar-se. Esteve presente nos Jogos de Beijing em 2008, através de um torneio paralelo para demonstração da modalidade e está na disputa com mais sete modalidades para ser incluído no programa em 2020.

Durante uma reunião do Conselho Executivo do COI que aconteceu em julho de 2011, em Durban, África, foi fechada a lista de oito esportes que ainda podem se considerar na disputa para tornar-se modalidade olímpica.

Enquanto a decisão não sai, o Brasil está estreitando suas relações com a China, país berço e ainda o mais forte do mundo na modalidade. A Confederação Brasileira de Kungfu Wushu (CBKW) através do seu presidente, Marcus Vinícius Alves, afirma que o Brasil está em parceria com a China e pretende mandar este ano (2012) atletas para fazer intercambio e treinar na Universidade de Esportes de Beijing, além de levar os técnicos de wushu moderno para o Brasil.

Em paralelo, a China investe em um projeto de expansão da modalidade e conta com o Brasil como centro estratégico na América do Sul. Como ações pontuais enviou, em 2010, uma delegação, composta por 20 atletas de reconhecimento internacional, para uma turnê de demonstração da modalidade no país.

Em 2011, como mais um fruto desta parceria, a CWA enviou também técnicos chineses para a capacitação de atletas e professores e para a preparação da seleção brasileira que representou o Brasil no 11th World Wushu Champioships realizado em outubro de 2011 em Ankara, Turquia. Além disso, a Chinese Wushu Association – CWA doou para a CBKW uma área oficial de competição. É a primeira área oficial de competição do País.

Um dos técnicos Chineses que vieram ao Brasil em 2011 por um período de 40 dias, Professor Zhang, acha que o Brasil tem um grande potencial para se desenvolver na modalidade, mas disse que é preciso muito investimento principalmente em estrutura para que os atletas não fiquem somente no nível amador.

Afirmou ainda que muitos atletas da seleção brasileira tem talento, mas precisam participar de mais competições internacionais para ganhar experiência. O Brasil tem tudo para ser um país forte e ainda desenvolver um estilo próprio dentro da modalidade.

A modalidade nunca esteve num melhor momento e para aproveitar esta fase, a CBKW pretende padronizar a terminologia utilizada. O kung fu, tão famoso nos filmes de Bruce Lee, Jackie Chan e Jet Li, será parcialmente substituído pelo wushu que se refere a arte marciais chinesas e que como competição é dividido em duas modalidades: taolu (sequência de movimentos com fundamentos marciais, fazendo uso ou não de armas, como espadas, lanças, bastões...) e combate (luta em que socos, chutes e projeções valem pontos).

Lido 117 vezes

Please publish modules in offcanvas position.