Terça, 24 Novembro 2015 16:28

Zico

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

ZicoNome: Arthur Antunes Coimbra

Zico é o maior artilheiro da história do Flamengo com 508 gols em 731 jogos, e ídolo de uma nação com mais de 35 milhões de torcedores espalhados pelo país. Deixou sua marca 333 vezes no Maracanã, um recorde que ainda não foi quebrado por nenhum outro jogador. Conquistou a Itália nas duas temporadas em que jogou pela Udinese, deixando um tempero de feijoada na tradicional ‘macarronada’. No Japão, tem a admiração de um povo que não se cansa de homenageá-lo pelo que ele fez no futebol da Terra do Sol Nascente. Os japoneses transformaram sua despedida definitiva dos gramados em um carnaval (1994), construíram duas estátuas, e o imperador entregou a ele uma comenda pelos serviços prestados ao país. A prova maior de confiança, no entanto, aconteceu no ano passado, quando lhe deram a árdua missão de assumir o comando da seleção nacional que busca a vaga na Copa de 2006. Dos tempos de jogador, vale ainda destacar a reverência dos países por onde Zico apenas passou, como a França e a Espanha.

 

 

Não é possível precisar o momento em que o homem vira ídolo quando isso ocorre naturalmente, sem a influência de recursos para a construção de uma imagem. Zico é mesmo um exemplo à moda antiga. E tudo partiu do aconchegante Bairro de Quintino, por uma conseqüência de dom, amor ao futebol, respeito, disciplina e muita determinação. Isso para citar alguns dos ingredientes principais da mistura. Nada artificial ou construído.

 

A relação com a bola nos tempos de menino, por exemplo, já era afetiva. Zico dormia com ela ao lado do travesseiro, tratava com muito carinho. Podia ser de meia, no jogo de botão, ou no totó, o importante era que as atenções estivessem concentradas nela: a bola. E ela nunca o deixaria em situação difícil. Aprendeu a ficar sempre perto dos seus pés, a obedecê-lo para encontrar o caminho do gol.

 

As primeiras lembranças de Zico no Maracanã são do dia 23 de abril de 1961, quando ele tinha apenas 8 anos. Talvez nesse dia tenha começado fisicamente o caso de amor do futuro craque com o Templo do Futebol. Levado pelo pai a um jogo em que o Flamengo acabou conquistando o Torneio Rio-São Paulo, o pequeno Arthur pôde acompanhar o talento de um alagoano chamado Edvaldo Alves de Santa Rosa, o Dida. O camisa 10 do Flamengo marcou os dois gols da vitória e consolidou-se como ídolo no coração e na memória do Galinho. Encantou o menino. Mas há quem jure de pés juntos que essa história começou bem antes. ‘Di-Da’ teria sido uma das primeiras palavras que Zico pronunciou, aos dois anos de idade.

 

Quatro anos mais tarde, Zico pisaria pela primeira vez no gramado do estádio que o consagrou, levado pelo vizinho Ivo, que trabalhava na administração do estádio. Nessa época o Galinho já entortava zagueiros e distribuía passes precisos no time de novos do Juventude, nos campos de soçaite, nas quadras de futsal ou mesmo nas peladas jogadas na rua. Mas, nos sonhos, o Templo do Futebol aparecia como o quintal de sua casa. Premonição.

Feitos

1974: Bola de Ouro Placar

1974: Bola de Prata Placar

1975: Bola de Prata Placar

1977: Melhor jogador das Américas eleito pelo jornal "El Mundo" (VEN)

1977: Bola de Prata Placar

1980: Artilheiro do Brasil

1981: Melhor jogador do Mundo pelo "Guerin Esportivo" (ITA)

1981: Melhor jogador do Mundo pelo "El Balón" (ESP)

1981: Melhor jogador do Mundo pelo "El Mundo" (VEN)

1981: Melhor jogador do Mundo pela revista "Placar"

1982: Melhor jogador das Américas eleito pelos jornais "El Gráfico"(ARG) e "El Mundo"(VEN)

1982: Bola de Ouro Placar

1982: Bola de Prata Placar

1982: Artilheiro da temporada no Brasil - 59 gols

1982: Chuteira de Bronze - 3º artilheiro da Copa do Mundo de (1982)

1983: Artilheiro por média de gols no Campeonato Italiano, vice-artilheiro no geral

1987: Bola de Prata Placar

1992: Recorde de gols em partidas seguidas no Campeonato Japonês - 11 gols em 10 jogos

2003: Eleito Melhor jogador dos 30 anos de Esporte Espetacular-Tv Globo

Flamengo

Mundial Interclubes (1981)

Copa Libertadores da América (1981)

Campeonatos Brasileiros (1980, 1982, 1983, 1987)

Campeonato Carioca (1972, 1974, 1978, 1979, 1979 - Especial, 1981 e 1986)

Taça Guanabara (1972, 1973, 1978-1982, 1988, 1989)

Taça Rio (1985 e 1986)

Presidente do Comitê Organizador Brasil 2006 (2000)

Campeonato Quadrangular Infantil (1969)

Torneio Ramon de Carranza-ESP (1979 e 1980)

Torneio Cidade de Santander-ESP (1980)

Torneio Cidade de Nápoles-ITA (1981)

Taça Eusébio de Andrade (1987)

Copa Kirim-JAP

Torneio Colombino-ESP (1988)

Torneio de Hamburgo-ALE (1989)

Torneio da Uva (1975)

Quadrangular de Inauguração do Serra Dourada (1975)

Udinese

Quadrangular da Cidade de Udine-ITA (1983)

Sumitomo Metals/Kashima Antlers

Copa Muroram (1992)

Copa Suntory (1993)

Copa Pepsi (1993)

Copa Meiers (1993)

Seleção Brasileira

Torneio Pré-Olímpico (1972)

Torneio do Penalty (1974)

Copa Bicentenário dos Estados Unidos (1976)

Copa Rio Branco (1976)

Copa Atlântico (1976)

Copa Rocca (1976)

Mundialito (1977)

Taça Inglaterra (1981)

Beach Soccer

Campeonato Mundial (1995 e 1996)

Copa América (1995 e 1996)

Torneio Internacional - JAP (1995 e 1996)

Seleção Masters

Copa do Craque (1990)

Copa Pelé (1991)

Curiosidades

Lido 307 vezes Última modificação em Terça, 24 Novembro 2015 18:47
Mais nesta categoria: « Oscar Schmidt Raí »

Please publish modules in offcanvas position.