Brusque: Preparador explica como fica o time com a pausa no Catarinense

0
10

O Brusque FC entrou em campo pela última vez na terça-feira (3), contra o Concórdia, na casa do adversário, e foi derrotado por 2 a 1. Após o término da partida, o clube foi avisado sobre a paralisação do Campeonato Catarinense por 15 dias.

Com a opinião de que o futebol é um local seguro para continuar com as competições, o preparador físico, Marcos Abella comentou sobre os treinos e o fator psicológico dos atletas.

“Devido a paralisação, as sessões de treinamento e cargas de treinamentos são modificadas, e a gente também trabalha para minimizar um pouco essa ansiedade que os atletas vem tendo durante os treinamentos devido a paralisação”.

Questionado sobre até que ponto a paralisação foi boa para a recuperação dos atletas que estavam lesionados e com covid, Marcos diz que todos os jogadores conseguem se recuperar totalmente para voltar aos jogos com ritmo.

“Tantos os que voltam do DM (departamento médico), assim como os jogadores que voltam do afastamento pelo Covid, a gente consegue seguir todos os protocolos sem pular nenhuma etapa, já que com a paralisação não há jogos, então esses atletas conseguem passar por todos os processos até estarem 100% aptos”.

Já sobre a parte ruim da paralisação, Abella volta a falar da ansiedade dos atletas e da importância do retorno do futebol, independe de ser jogo decisivo.

“Com a paralisação, acaba tendo um efeito negativo em âmbito psicológico para os atletas, já que eles acabam ficando muito ansiosos com o retorno dos jogos. Em relação ao jogo decisivo da Copa do Brasil, independente que seja esse jogo decisivo ou do Catarinense, acho que é muito importante o retorno dos jogos, não somente para os atletas, mas para todos que trabalham dentro do futebol”.

Comentar