Núbia Soares abre temporada olímpica por competições indoor

0
14

A brasileira Núbia Soares, recém-contratada pelo FC Barcelona, compete neste sábado (1/2), em pista coberta, no Campeonato da Espanha de Clubes de Atletismo, a Copa Iberdrola para as mulheres e a Copa LaLiga para os homens, no Velódromo Luis Puig de Valencia.

Núbia, de 23 anos, mineira de Lagoa da Prata, está ansiosa por saltar bem desde o início da temporada olímpica (o índice para o salto triplo é de 14,32 m). Neste sábado, terá adversárias como a lituana Diana Zagainova, que tem 14,43 m como marca de entrada na competição.

A final da Copa LaLiga terá a presença de oito clubes: Valência, Playas de Castellón, Barcelona FC, San Sebastián, Avinent Manresa, AD Marathon, Grupompleo Pamplona e Alcampo Scorpio 71.

Em 20 de janeiro, também pela Copa da Real Federação Espanhola de Atletismo, em Madrid, Nubia saltou 13,57 m.

“É uma competição por equipe muito importante. Mas o meu objetivo para a temporada é competir bem, pensar na Olimpíada. Vou em busca de recordes mesmo, não vou tirar isso da minha cabeça, em todas as competições em que eu participar”, assegurou.

Para isso, Núbia sabe o segredo – ela treina com o cubano Ivan Pedroso. “É treinar, sem dor, pegar ritmo de competição – porque eu fiquei muito tempo parada – e ir batendo as marcas pessoais. Quero conseguir saltar bem e acima dos 14 metros, com regularidade”, resume.

Sua melhor marca pessoal ao ar livre é de 17 julho de 2018 – 14,69 m, feita em Sotteville-lès-Rouen, na França – recorde brasileiro. E sua melhor marca indoor é de 3/3/2018, em Birmingham, Grã-Bretanha, quando saltou 14,00 m. Em 2019 saltou pouco e tem como marca líder do Ranking Brasileiro um salto de 14,23 m, em Huelva, Espanha (20/6/2019).

Curada de um problema no Tendão de Aquiles, sem dor, Nubia está confiante de que poderá fazer uma boa temporada. “Tenho fé que vai ser muito melhor. É seguir toda a planilha, fazer todas as competições, ganhar ritmo e saltar. Vai dar tudo certo!”

Em 2019 foi atrapalhada por uma tendinite – ficou fora do Pan-Americano de Lima, no Peru, e do Mundial de Doha, no Catar. “Esse problema com o Tendão de Aquiles me deu um trabalhão. Eu tratei a tendinite praticamente o ano todo. Dei uma pausa na temporada, fui tratar no Brasil com a Lidia (a fisioterapeuta Lidia Ferreira) e depois de muito custo conseguimos curar esse tendão. Graças a Deus não tive de passar por cirurgia, mas foi um dos problemas mais chatos que eu já tive.”

Adaptada a vida na Espanha, Núbia integra agora a equipe de atletismo do Barcelona, juntamente com triplistas como ela, a venezuelana Yulimar Rojas, bicampeã mundial (Londres-2017 e Doha-2019) e medalhista de prata nos Jogos Olímpicos do Rio-2016, e Alexis Copello Sanchez, cubano que compete pelo Azerbaijão desde 2017, 7º colocado no Mundial de Doha. Os dois também são colegas de treino, em Guadalajara.

Comentar