Pentatlo feminino: Iêda Guimarães garante vaga para Tóquio 2020

0
11

Conquistar o maior número de vagas olímpicas é a prioridade do Time Brasil nos Jogos Pan-americanos Lima 2019, e o pentatlo moderno feminino cumpriu o objetivo à risca. Neste sábado, 27 de julho, Iêda Guimarães ficou a uma posição do pódio, mas nem por isso deixou de celebrar.

Afinal, por ter sido a melhor sul-americana da prova, a carioca de 18 anos carimbou seu passaporte para Tóquio 2020.

“Não sei o que pensar. A ficha não cai de primeira, mas estou muito feliz. Eu me emocionei muito ao fim da prova. Já são nove anos de pentatlo feminino, treinando bastante e abdicando de vida social e outras coisas. Valeu a pena”, disse Iêda, após a prova.

Segundo os critérios de classificação da Confederação Brasileira de Pentatlo Moderno (CBPM), a vaga pertence à atleta e, por isso, Iêda terá um ano de preparação visando a disputa dos Jogos Olímpicos.

“Gostei muito da minha prova, mas sei que tenho coisas a melhorar, como natação e hipismo. Agora é focar ainda mais e treinar muito para representar bem o meu país em Tóquio”.

Quem também comemorou a classificação de Iêda foi Yane Marques, medalhista de bronze em Londres 2012, que acompanhou a prova ao vivo na Escola Militar de Chorrilos.

“Foi uma prova forte e mais tensa por causa da classificação olímpica. Para o Brasil é muito importante ter conquistado essa vaga, mantém o pentatlo relevante e na mídia. Quanto a Iêda, é uma menina que faz parte de uma geração bem jovem e que já colhe bons resultados. Vejo que ela tem potencial, é habilidosa e coordenada. Mas ainda tem muita margem de melhora”.

Apesar da pouca idade, Iêda coleciona experiências internacionais. Em 2018, por exemplo, participou dos Jogos Olímpicos da Juventude de Buenos Aires, quando terminou a prova individual em 17° lugar, e conquistou duas medalhas nos Jogos Sul-americanos de Cochabamba: ouro no revezamento misto e bronze no individual.

Com a vaga conquistada por Iêda, o Brasil chegou a 46 atletas classificados para Tóquio 2020. Ela se junta ao futebol feminino, ao rugby de 7 feminino, a Ana Marcela Cunha (maratona aquática), aos revezamentos 4x100m e 4x200m livre (natação) e aos velejadores das classes 49er FX, Nacra 17, Laser e Finn. Ao todo, são 36 mulheres e 10 homens.

Comentar