Canto do Rio vence quatro jogos e aposta na diversão para buscar título do 45+

0
17

A fase de grupos da categoria 45+ feminina, no Vôlei Master 2019, realizado no Centro de Desenvolvimento do Voleibol (CDV), em Saquarema (RJ), teve o brilho do Canto do Rio (RJ), que venceu suas quatro partidas sem perder nenhum set e avançou às quartas de final.

Mais do que isso: nenhuma equipe marcou sequer 20 pontos na equipe que aposta na alegria para manter os bons resultados – em 2017 elas foram campeãs e em 2018 ficaram com a prata.

“O nosso time praticamente não treina junto, porque cada uma mora em um canto do Rio, então a gente vem sem obrigação, para nos divertir mesmo e dá muito certo”, explicou Tati Minello.

A impressão é justamente oposta de quem assiste de fora. Demonstrando boa química de jogo, o Canto do Rio dá poucas chances às adversárias, assumindo a vantagem no placar no início dos sets.

“É engraçado isso (impressão de entrosamento), mas acho que pelo fato de virmos sem cobrança, só pra jogar voleibol, acaba funcionando. Diferente de outras equipes, a gente vem, fica numa mesma casa, pra se reencontrar mesmo”, complementou Tati.

Ex-jogadora de sucesso no vôlei de praia, a vice-campeã Mundial em 2001 (ao lado de Sandra Pires), que também atuou na quadra por Flamengo e vários times na Itália, analisou o motivo da liderança com folga no grupo B.

“Foram quatro boas vitórias, sacamos muito bem que é um ponto forte do nosso time, estruturamos bem a defesa, o bloqueio está aparecendo também”, enumerou Tati.

Além de Minello, a equipe ainda conta com o talento de Renata e Karina (campeãs juntas do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia 1994), Eth (campeã da Superliga 2001, vice-campeã da Liga A1 italiana 1992), entre outras ex-jogadoras. Sobre a próxima fase, o objetivo é seguir se divertindo em quadra.

“Agora vamos enfrentar as melhores equipes da competição, temos que entrar concentradas e manter a nossa filosofia no Master, que é nos divertir”, afirmou Tati, que também se mostrou feliz por mais um ano de disputa em Saquarema, o sexto da equipe.

“Já fomos profissionais, já vivemos muita coisa, então o Master é um reencontro, é se divertir, dar boas risadas, aproveitar o que acontece na quadra”.

Comentar