Com licença, as mulheres precisam de voz

0
131

Em um meio tão machista, o caminho perseguido pelas mulheres não tem sido o mais fácil.

Corajosas, ocupam diferentes cargos: presidentes de clubes, conselheiras, técnicas, árbitras, jogadoras, cronistas…

Com a presença marcante da mulher, e não digo pela beleza exterior, mas pela inteligência e capacidade em se apoderar de uma seara, que antes eram territórios habitados por homens, foi e vem sendo desmistificado, fazendo prevalecer o respeito à igualdade de gênero.

Aquele lema antigo em que a mulher tinha que cuidar da casa e dos filhos, ficou para trás.

A mulher moderna cumpre seus afazeres domésticos, cuida dos filhos, trabalha fora e algumas ainda sustentam seu lar. É o poder feminino tomando conta das mais diversas áreas. O que antes era visto como impossível, hoje é natural, ao configurar-se, também, em tripla jornada.

Voltando para o futebol, ainda há preconceitos em relação ao conhecimento da mulher. Alguns apontam que mulher não entende nada acerca de futebol; outros reconhecem que sabemos e podemos discutir claramente sobre o assunto.

O mundo ainda precisa conceder às mulheres o direito de disputar cargos com a mesma equidade que o fazem os colegas do sexo oposto. Porém, no futebol, esse tema, outrora tabu, vem tendo suas barreiras derrubadas.

Alguns exemplos que destoam ou mesmo destoaram da “realidade”.

Patrícia Amorim presidiu o Flamengo; Leila Pereira é conselheira e referência como principal patrocinadora do Palmeiras; Silvia Regina de Oliveira atuou como árbitra de futebol e Nadine Bastos, assistente de arbitragem em meio às diversas que militam no apito.

Ana Thaís Matos é uma das repórteres de campo. Juliana Cabral é comentarista da ESPN e Marta, cujo currículo como jogadora da seleção brasileira dispensa comentários –  foi eleita cinco vezes como a melhor do mundo. As referências são várias nos mais diversificados ramos de atuação que gravitam em meio ao esporte.

María Victoria Pavon é o nome à frente do Leganés desde a temporada 2009/2010.  Lay Hoon Chan, empresária de 52 anos formada em contabilidade na Universidade Nacional de Cingapura e que ocupa a presidência do Valencia desde 1º de julho de 2015. Ainda na Espanha, o Eibar foi comandado pela presidente Amaia Gorostiza. Para ‘abrasileirar’, cito ainda o papel da presidente do Independente (Limeira), Fatima Emilia Grosso Rodrigues de Mattos dos Anjos, ponto fora da curva no futebol paulista onde o predomínio masculino é algo gritante.

Essas mulheres atuantes demonstram que é possível ingressar no mercado da bola, fazendo a diferença, mediante estudo, foco, crença e dispositivos legais (leis, regimentos, estatutos) que não nos tire o sagrado direito de mostrar que a exemplo de tantos homens, também podemos fazer mais e melhor.

Comentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here