Bandeiras da razão

0
69

*CÉLIO CAMPOS

A razão sempre haverá de vencer a mediocridade.

Poderia escolher de muitos outros, mas preferi optar por uma afirmação do competente Fabrício Carpinejar (1972), poeta, jornalista e professor universitário, que tem diversos livros publicados e também é reconhecido por seus blogs. Afirma o referido: “A esperança é a última que morre, após matar todos os outros sentimentos”.

É isso. Esperança. Razão para superar as mediocridades que insistem em tomar conta de nosso futebol e daquilo (quase tudo) que gravita à sua volta.

A semana começou sob uma ótima notícia.

Reunião na sede da secretaria de Segurança Pública, decidiu flexibilizar limitações impostas às torcidas organizadas nos estádios, e com isso voltaremos a contemplar faixas e bandeirões nos campos de futebol, nas arenas, nos palcos por onde a bola rola. Acho que as “bandinhas” e “charangas” igualmente haverão de voltar a habitar os estádios para o bem do próprio futebol.

Interessante que a medida contou com apoio do Ministério Público, das polícias Civil, Militar, Federação e diretores dos chamados “quatro grandes”. Um avanço. Houvesse uma dose menor de tolice e liberariam, a reboque, a presença da torcida visitante em clássicos. Esse retrocesso lamentavelmente ainda persiste.

Para os que não se prendem aos acontecimentos fora das “quatro linhas”, é bom lembrar que tais proibições perduram desde agosto de 1995, quando o são-paulino Márcio Gasparin da Silva foi morto, resultando da briga envolvendo torcedores das agremiações alviverde e tricolor. Pasmem! Criava-se ali um movimento antiorganizadas deflagrado pela Polícia Militar e Federação.

Ano passado, mais punições.

Após o Dérbi, em abril daquele ano, brigas antes e depois oxigenaram outras restrições (sinalizadores, bandeiras com mastros). Chegaram ao absurdo de propor jogos sem torcida, torcida única, essas aberrações como se houvessem encontrado o ‘DNA da violência’. Desesperançados fazendo ecoar a desesperança em meio aos que esperam que nem tudo está perdido.

Em prosa e verso, sabemos que esses não são os reais motivos das guerras campais envolvendo torcidas. Tanto que mesmo vigorando esse movimento, são vários os casos de confrontos, brigas e desentendimentos registrados no período – prova que o buraco fica muito mais embaixo.

A razão sempre haverá de vencer a mediocridade.

Futebol é festa. E bandeiras, esse aparato todo, faz parte do “mundo mágico do futebol”.

A única coisa que não combina com isso são os atos de violência. E entendo como flagrante violência impedir o torcedor do “time B” acessar o estádio para assistir o clássico de sua equipe perante o “time A”. Conversa mole e oportunismo de muitos em apressar-se a receitar medidas como se fossem a panaceia para cura de todos os males existentes além das quatro linhas.

Não tiveram coragem de devolver ao futebol aquilo que pertence somente a ele.

A devolutiva se fez em partes.

Mas já é alguma coisa.

Permite com que acreditemos que a esperança é a última que morre, e deve morrer somente após a morte de todos os outros sentimentos como bem destacou o poeta nas linhas iniciais.

Felizmente – e para a tristeza de muitos – o futebol, dentro e fora de campo, ainda está muito vivo.

*é jornalista, radialista e mestrando em Comunicação pela Universidade Ibero Americana

Comentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here