NBB terá transmissão e arbitragem 100% feminina

0
18

Preocupado com a importância do papel feminino no esporte, o NBB, pela terceira temporada seguida, terá nesta sexta-feira (12/03), no duelo entre Brasília e Zopone/Gocil Bauru Basket, às 20h e ao vivo no DAZN, uma transmissão 100% feminina.

Na ocasião, teremos Luciana Mariano na narração, acompanhada de Helen Luz nos comentários e Giovanna Terezzino e Stephanie Alves nas reportagens.

A ação acontecerá pela terceira vez na história e, nesta oportunidade, não acontecerá no dia 08 de março como de costume, mas sim no dia 12 por conta da pausa do NBB na janela da Basketball Champions League Americas.

Para Luciana Mariano, que se tornou narradora fixa do NBB 2020/2021, o papel da LNB na inclusão das mulheres no cenário esportivo é de extrema importância.

“Isso ainda é tratado como uma novidade (a mulher na narração esportiva), e quando se fala nisso todos imaginam a mulher narrando futebol, o que já é um avanço, mas não é só isso. Uma narradora esportiva precisa, e deve, trabalhar com outros esportes, e o basquete foi o segundo esporte que aderiu a uma narração feminina, a uma transmissão 100% feminina. Isso incluindo narradora, comentarista e repórteres mulheres não somente em dias comemorativos, mas o ano inteiro, a temporada toda”, afirmou a narradora, que completou:

“Nesse início, precisamos de uma força para começar, de uma oportunidade, porque nós fomos impedidas de fazer isso durante muito tempo. A iniciativa do NBB é fundamental para que as mulheres ampliem esse horizonte de fazer não só o futebol, mas também outros esportes, para que assim se transformem em profissionais completas, da mesma forma que aconteceu com os homens há 80 anos (risos)”, disse.

Primeira mulher a fazer parte do time fixo de comentaristas do NBB, Helen Luz ganhou uma oportunidade após o ótimo trabalho apresentado na última transmissão 100% feminina, no NBB 2019/2020, além da função já desenvolvida comentando a Liga de Basquete Feminino (LBF).

Segundo a comentarista, o caminho que o NBB trilhou, de apoio a mulheres em suas equipes de transmissão, deveria ser seguido também em outros esportes.

“No NBB, sou a primeira a fazer parte do time de comentaristas. Adoro fazer isso, me encontrei e estou aprendendo mais e mais a cada dia. Aprendo com o Cadum, com o Bruno e com tanto outros que são craques nos comentários. Tento assistir o máximo de partidas possíveis para me aperfeiçoar. Sou um pouco perfeccionista e gosto de estar preparada para os desafios e situações que aparecem. Estou feliz, grata e espero que essas oportunidades possam surgir em outros esportes, modalidades para mais mulheres”, disse Helen Luz, que completou:

“É o que eu sempre falo, a oportunidade não pode ser dada porque é mulher, mas sim pela competência, pela qualidade. Penso assim, e comigo foi dessa maneira na LBF e agora também no NBB. Minha alegria é dupla!”, finalizou.

Para a repórter Stephanie Alves, o trabalho desenvolvido pelo NBB é de extrema importância para a busca da igualdade de gênero no mundo esportivo, tão gentrificado.

“No esporte, na política, em tantas áreas, ainda engatinhamos nos assuntos de gênero, mas seguimos celebrando cada pequena conquista. E esse esforço da Liga em abrir espaço para o time feminino tem sido valioso e muito bem honrado com talento e competência. E isso sim é igualdade. Ganhamos nós, mulheres, ganha o mundo todo”, afirmou.

Comentar